Sete Alegrias

"Alegra-Te, Cheia de Graça…"

Desinformação – De Bengasi ao Terrorismo Nuclear

O artigo abaixo, do general Ion Mihai Pacepa, foi publicado no WorldNetDaily em 25 de junho de 2013.

Desinformação – De Bengasi ao Terrorismo Nuclear

Ion Mihai Pacepa, ex-chefe de espionagem comunista, revela o pior escândalo de Obama

O general Ion Mihai Pacepa é o oficial de mais alta patente do bloco soviético que obteve asilo político nos EUA. O seu novo livro, Disinformation, em coautoria com o professor Ronald Rychlak, foi publicado pela WND Books em 25 de junho de 2013.

A politização sem precedentes do IRS (Internal Revenue Service) à moda soviética foi, dentre todos os escândalos que infestam a administração Obama, o que maior indignação popular causou, pois muita gente sentiu na pele a arrogância da IRS.

Entretanto, muito mais importante é o encobrimento da verdade sobre o bárbaro assassinato do embaixador J. Christopher Stevens e de três dos seus subordinados dentro do nosso posto diplomático em Bengasi, cometido na emblemática data de 11 de setembro.

Por que digo isto? Na minha antiga vida como comandante-chefe de espionagem do bloco soviético, passei anos observando, a partir de um ponto de vista privilegiado e exclusivo, como um tipo de maldade rapidamente leva a outra maldade muito maior. Acredito que Bengasi é o escândalo da presidência Obama.

Para resumir: descrevendo de forma enganosa o ato de guerra cuidadosamente preparado contra os EUA como um caso de “violência espontânea”, esta administração provou que não está disposta e nem é capaz de defender o nosso país e as nossas vidas contra o terrorismo externo, que – e aqui está a parte crítica – está agora muito perto de ter armas nucleares para lançar contra nós.

James Woolsey, ex-diretor da Central de Inteligência, publicou recentemente um artigo no Wall Street Journal documentando como os EUA se tornaram tão vulneráveis ao terrorismo internacional, a ponto de até mesmo o ridículo governo norte-coreano poder denotar uma pequena arma nuclear sobre o território americano.

“A Coréia do Norte só precisa de um míssil balístico intercontinental capaz de transportar um única ogiva nuclear para se tornar um perigo real para os EUA” escreveu Woolsey, juntamente com Peter Pry, diretor executivo da Task Force na National and Homeland Security. “A Congressional Electromagnetic Pulse Commission, a Congressional Strategic Posture Commission e diversos estudos do governo americano demonstraram que a detonação de uma arma nuclear sobre qualquer parte do território americano geraria um pulso eletromagnético catastrófico.”

Uma única explosão – algo que a Coréia do Norte é realmente capaz de fazer – constituiria um ataque por pulso eletromagnético capaz de, nas palavras do nosso ex-chefe da CIA, “causar um colapso na rede elétrica e na infraestrutura dela dependente – comunicações, transportes, sistema financeiro, comida e água – necessárias para manter a sociedade moderna e as vidas de 300 milhões de americanos.”

Outra análise bem feita, recém-publicada no Weekly Standard, confirma que em meados de 2014, o fanático e anti-americano governo terrorista do Irã provavelmente será capaz de enriquecer urânio e plutônio de forma tão rápida que os EUA não conseguirão detê-lo militarmente. Quando um regime insano e metastático – obcecado pela destruição (em primeiro lugar) do “Pequeno Satã”, Israel, e (em seguida) do “Grande Satã” (EUA) – tiver um arsenal nuclear, estaremos realmente vivendo em um mundo muito diferente e incerto.

Quando eu era conselheiro de segurança nacional do presidente da Romênia comunista, uma das minhas principais tarefas, era, ironicamente, impedir a ação terrorista. A prevenção, é claro, era muito mais fácil numa ditadura cruel onde a polícia política desfrutava de poder ilimitado. Entretanto, experiências recentes provam o bom funcionamento da prevenção nos EUA. A Heritage Foundation noticiou em 2008 que cerca de 40 ataques terroristas foram evitados desde 11 de setembro de 2001.

Infelizmente, em 2009, por razões sobre as quais podemos apenas especular, a administração Obama descartou a frase “guerra contra o terrorismo” do seu vocabulário, reclassificando um bem sucedido ataque terrorista no território americano (Fort Hood) como “violência no local de trabalho” e abandonou inúmeras medidas anti-terrorismo adotadas após o 11 de setembro. Marc A. Thiessen, colunista do Washington Post, observou: “No seu segundo dia no cargo, Obama encerrou o programa de interrogatório da CIA. (…) Num discurso no National Archives, Obama eviscerou os homens e as mulheres da CIA, acusando-os de “tortura” e declarando que o trabalho deles ‘não ajudou na nossa guerra e nos nossos esforços contra o terrorismo – eles os enfraqueceram.’”

Voltando a 2012: “bin Laden está morto e a General Motors está viva” se tornou um dos mais vibrantes slogans da campanha de reeleição de Obama. A mensagem: o terrorismo e a Al-Qaeda estão derrotados; portanto, reeleja-me. Se a administração tivesse admitido que o embaixador Stevens e os seus três subordinados foram mortos por terroristas dois meses antes da eleição, o slogan mais real da campanha de Obama exporia publicamente o absurdo que realmente era.

Como todos sabem, durante semanas, a administração – incluindo o próprio presidente Obama nas Nações Unidas – bizarramente jogou a culpa por toda a confusão, morte e destruição de Bengasi em uma paródia islâmica no YouTube assistida por pouca gente.

Após o atentado a bomba na maratona de Boston – cujos resultados foram a paralisia de uma das maiores cidades dos EUA, três americanos mortos e cerca de 200 feridos, muitos deles gravemente – o presidente Obama, sob pressão do Congresso, tratou do perigo do terrorismo em um discurso de uma hora no dia 23 de maio. Foi um bom discurso, como os discursos costumam ser, exceto pelo fato de que ele sequer ter mencionou a ameaça real enfrentada hoje pelo nosso país – o risco crescente do terrorismo nuclear – e, em vez disto, menosprezou o perigo de um futuro terrorista. “Extremistas regionais. Este é o futuro do terrorismo” proclamou o presidente. Tudo o que precisamos fazer realmente é fechar Guantânamo e efetuar uma leve mudança no modo como usamos drones.

Com o devido respeito, tenho que contrariar o presidente Obama. O terrorismo anti-americano atual não foi gerado nos EUA. Foi concebido 48 anos atrás em Lubianka, quartel-general da KGB, e tem sido levado a cabo por fascistas islâmicos armados com granadas soviéticas propelidas a foguete, Kalashnikovs e coquetéis Molotov – incluindo os terroristas responsáveis pela morte do embaixador Stevens.

Infelizmente, eu testemunhei o nascimento do terrorismo anti-americano. Anos atrás ouvia o general Aleksandr Sakharovsky, chefe da espionagem estrangeira da União Soviética, pontificar que a nossa maior arma contra o nosso “principal inimigo” (os EUA) deveria ser, a partir de então, o terrorismo, pois as armas nucleares haviam tornado obsoleta a força militar convencional.

Conheci bem Sakharovsky – ele foi conselheiro chefe da inteligência soviética para a Romênia durante cinco anos. A sua aparência não era a de uma pessoa cruel, mas o terrorismo era a sua solução favorita para problemas políticos; durante os seus anos de atuação na Romênia, instigou a matança de cerca de 50 mil anti-comunistas. Depois, Sakharovsky serviu 16 anos – período sem precedentes – como chefe do serviço de inteligência estrangeiro da União Soviética (1956-1972), tempo durante o qual espalhou o terrorismo anti-americano pelo mundo.

Em 1969, Sakharovsky tranformou o sequestro de aviões – a arma escolhida para  o 11 de setembro – em terrorismo internacional. Em 1971, lançou a Operação Tayfun (palavra russa para “tufão”), destinada a transformar o antigo ódio mundial contra os nazistas em um ódio contra os EUA, o novo “poder de ocupação”. Sakharovsky até mesmo estabeleceu uma “divisão socialista de trabalho” com o objetivo de criar e armar organizações terroristas anti-americanas em todo o mundo – a qual chamou “combatentes da liberdade”.

Em meu novo livro, Disinformation, em coautoria com o professor Ronald Rychlak, explico bem tudo isso, em seus diversos aspectos. Aqui, quero brevemente afirmar que o sucesso das operações terroristas de Sakharovsky encorajaram o seu superior, Yuri Andropov, chefe da KGB, a – como costumava dizer – “transformar todo o mundo árabe em um explosivo inimigo dos EUA” recorrendo ao anti-semitismo, arma emocional manejada com sucesso por vários ditadores ao longo do tempo.

A máquina de desinformação de Andropov, naquele tempo estimada em mais de 1 milhão de pessoas (detalhadamente descrita em nosso livro), não mediu esforços para convencer o mundo islâmico de que os EUA eram um país sionista em guerra comercial, financiado pelo dinheiro judeu e administrado por um ávido “Conselho dos Sábios de Sião” – epíteto de Andropov para o Congresso americano.

O objetivo desta imensa operação de desinformação era fazer o mundo islâmico temer que os EUA pudessem tranformar o resto do mundo em um feudo judeu. A manobra de Andropov funcionou. É só lembrar a tomada islâmica da embaixada americana em Teerã em 1979, o atentado a bomba ao quartel dos marines em Beirute em 1983, o sequestro do Achille Lauro em 1985, o ataque terrorista ao World Trade Center em 1993, a destruição das embaixadas americanas no Quênia e na Tanzânia em 1998 e os catastróficos ataques de 11 de setembro.

O sucesso de Andropov fez dele o primeiro oficial da KGB a sentar no trono do Kremlin e a ter o seu escritório na KGB transformado em santuário.

Quando Andropov e a sua União Soviética se foram, uma nova geração de russos lutou para dar àquele país feudal uma nova identidade. Mas o ódio pelos EUA introduzido no mundo islâmico pela KGB de Andropov ainda está vivo e se espalhando.

Na minha outra vida, no topo da inteligência do bloco soviético – o serviço de inteligência estrangeiro romeno (DIE) – eu gerenciava extensas redes de inteligência no mundo islâmico, e conheci muito bem aquela região. O seu povo não odiava os EUA. Milhões deles ainda hoje esperam na fila para serem aceitos nos EUA porque admiram este país. Apenas alguns poucos líderes fanáticos fascistas islâmicos, devido à sua imensa raiva contra esta grande nação de liberdade, sonham em destruí-la.

O prolongado ódio destes líderes islâmicos fanáticos pelos EUA e o fantasma de que consigam poder nuclear mostram, no meu ponto de vista, que é o momento para os líderes do nosso Congresso e dos nossos partidos Democrata e Republicano esquecerem os belos discursos do presidente Obama e começarem a construir uma política única para vencer a guerra contra a praga do terrorismo.

É importante, além de esclarecer totalmente a verdade sobre Bengasi, tomarmos medidas para evitar novos desastres terroristas. A competição pode ser o motor do progresso americano, mas, em tempo de guerra, é a união que faz dos EUA o líder do mundo.

Não sei como deve ser a nova polítca anti-terrorista americana. Na realidade, ninguém em nosso país sabe. Sei, entretanto, como o terrorismo anti-americano foi gerado, e recomendo fortemente, à administração atual e ao Congresso, a análise séria do relatório National Security Council Report 68, do presidente Truman (NSC 68/1950), que definiu a estratégia de contenção e se tornou a nossa principal arma durante a Guerra Fria.

Este documento de 58 páginas não joga a culpa pela Guerra Fria em vídeos do YouTube. Descreve os desafios dos EUA em termos desastrosos.

“Os problemas que enfrentamos são graves”, diz o documento, “envolvendo a sobrevivência ou a destruição não apenas desta República mas da própria civilização”. Assim, definiu uma estratégia política “de dois dentes”: 1) poder militar superior e 2) uma “Campanha da Verdade”, definida como “uma luta, acima de tudo, pelas mentes dos homens”. A propaganda usada pelas “forças do comunismo imperialista” só podia ser derrotada, argumentou Truman, pela “verdade plena, absoluta e simples”. A Voice of America, a Radio Free Europe e a Radio Liberation (logo em seguida chamada de Radio Liberty) tornaram-se parte da “Campanha da Verdade” de Truman.

Esta mesma estratégia “de dois dentes” – superioridade militar total e uma resoluta campanha pela verdade absoluta – permitiu aos EUA vencerem o comunismo, e é hoje igualmente essencial se quisermos assumir a posição de controle em um ameaçador mundo de terrorismo nuclear inimaginável.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: