Sete Alegrias

"Alegra-Te, Cheia de Graça…"

De Stalin ao Sequestration

O artigo abaixo foi publicado em 6 de março deste ano no site PJMedia.com, na coluna Say No To Socialism. O autor, general Ion Mihai Pacepa, é o oficial de mais alta patente que desertou do bloco comunista. O seu livro Red Horizons revelou a corrupção do governo marxista de Nicolae Ceausescu, da Romênia, e foi grandemente responsável pela queda do tirano. O livro foi descrito pelo presidente Reagan como a sua “Bíblia para lidar com ditadores socialistas”. Pacepa vive nos EUA, sob identidade secreta.

O termo Sequestration refere-se ao corte automático de despesas federais no orçamento dos EUA. Os cortes – em valores absolutos, não em porcentagens – são divididos igualmente entre as categorias de defesa e não-defesa. Alguns dos maiores programas, como Social Security, Medicaid, pensões e benefícios para os veteranos estão fora do programa.

De Stalin ao Sequestration

Antes de mais nada, peço desculpas pela ausência. O meu próximo livro, Disinformation, escrito em co-autoria com o professor Ronald Rychlak, virou documentário e será lançado em junho, e o projeto tomou todo o meu tempo.

Hoje celebramos 60 anos de falecimento de Iosif Vissarionovich Dzhugashvili, cujo nome de guerra era Stalin – que significa “homem de aço”. Usei deliberadamente o verbo “celebrar” pois a morte de Stalin deixou entrar o primeiro raio de luz em uma das mais sombrias e sangrentas operações de desinformação da história: a própria União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Logo após a morte de Stalin, a cortina que protegia da opinião pública o seu “paraíso dos trabalhadores” foi arrancada, e o mundo teve o primeiro vislumbre do imenso campo de trabalho forçado que realmente era a União Soviética. Segundo revelações recentes, cerca de 94 milhões de pessoas foram mortas enquanto durou o império soviético [i] para garantir o funcionamento do herético sistema socialista, um credo que retira dos seres humanos as verdadeiras forças motivacionais necessárias para manter a humanidade caminhando: propriedade privada, competição e incentivo individual.

Na teoria, o socialismo é um sonho idílico. Na realidade, é um pesadelo de mentiras, modelado pela infame sentença de Karl Marx “Jeder nach seinen Fähigkeiten, jedem nach seinen Bedürfnissen” (de cada qual segundo a sua capacidade, a cada qual segundo a sua necessidade), uma teoria social que destruiu, uma a uma, todas as economias dos países nos quais foi implantada. Para falar bem claramente, a redistribuição socialista de riqueza é roubo, e o roubo se tornou a política nacional no dia do nascimento da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Imediatamente após a revolução de novembro de 1917, o novo governo socialista russo confiscou a riqueza da família imperial, apoderou-se das terras dos russos ricos, nacionalizou a indústria e o sistema bancário e matou a maioria das pessoas de posses. Em 1929, o Kremlin virou o seu ávido olhar na direção dos indivíduos mais pobres do país; confinando os camponeses nas fazendas coletivas, roubou as suas terras juntamente com os seus animais e as suas ferramentas de trabalho. Em poucos anos, praticamente toda a economia soviética funcionava em propriedades roubadas.

Em meados dos anos 1930, o próprio Partido Comunista virou um alvo para o roubo. Após um breve período de liderança coletiva exercida pelo Comitê Central e mais tarde pela sua elite, o Politburo, Stalin em pessoa roubou todos os cargos de alto nível do país e os alfinetou em seu próprio peito como medalhas de guerra, estabelecendo assim um sinistro novo feudalismo em pleno século XX. Mais tarde, isto se repetiu, de forma exatamente análoga, em toda a Europa Oriental ocupada pelos socialistas soviéticos após a Segunda Guerra Mundial. Quando dei adeus para sempre à Romênia socialista em 1978, a lista de cargos e títulos oficiais acumulados por Ceausescu e pela sua esposa podiam facilmente encher uma página inteira.

O colapso do império soviético em 1991 deu um duro aviso de que, no longo prazo, o roubo não compensa, mesmo quando praticado por governantes de um grande país. Todos os socialistas que chegaram à liderança de uma nação acabaram no inferno – todos, de Lenin a Stalin, de Tito a Zhivkov, de Enver Hoxha a Mátyás Rakosi, de Sékou Touré a Nyeree. Tiveram os seus dias de glória passageira, mas todos terminaram em desgraça eterna. Alguns, como Fidel Castro e Hugo Chavez, ainda estão resistindo, mas certamente há um lugar reservado para eles no inferno. (Atualização: Chavez morreu após este artigo ter sido escrito.) Neste ano, quando o Manifesto de Marx completa 164 anos e já devia estar desacreditado, alguns países imprudentes como Grécia, Irlanda, Portugal, Chipre, Itália e Espanha ainda estão sendo devastados por uma mal depositada confiança na frase “a cada qual segundo a sua necessidade” e pela consequente redistribuição da riqueza do país.

Há inúmeras razões pelas quais o socialismo jamais poderá ter sucesso. Uma delas é a atitude irracional dos socialistas em relação ao dinheiro. Os socialistas marxistas sempre descreveram o dinheiro como um instrumento odioso da exploração capitalista, e sempre pregaram o evangelho de que na utópica sociedade socialista não haveria dinheiro, não haveria preços, não haveria salários. Enquanto este dia não chegava, entretanto, eles admitiam que o dinheiro era um mal necessário a ser retido durante o período de transição do capitalismo para o socialismo – pois os líderes socialistas eram incapazes de oferecer qualquer substituto para ele. Como quer que seja, no império socialista soviético, o dinheiro perdeu a sua função de regulação da economia e o seu status de medida de riqueza, tornando-se apenas um instrumento de expressão de salários e preços domésticos. A irracional, imprevisível e caótica atitude socialista em relação ao dinheiro só conseguiu implantar a anarquia econômica. Eu vi isto com meus próprios olhos durante os 20 anos em que estive envolvido com o sistema financeiro da Romênia, quando passei de representante chefe da missão de negócios do país na Alemanha Oriental a conselheiro econômico do presidente romeno.

Trinta e quatro anos atrás, quando rompi com os altos círculos do império soviético, paguei com duas sentenças de morte emitidas pela Romênia, meu país de nascimento, por ajudar o seu povo a parar de pensar no governo como uma benção concedida do alto, e por libertá-los do jugo do socialismo. Infelizmente, vejo agora a praga do socialismo “a cada qual de acordo com a sua necessidade” começando a infectar o meu país de adoção, os EUA. Em 7 de fevereiro de 2009, a capa da Newsweek proclamava: “Somos todos socialistas agora.” [ii] Examente igual ao que o Scînteia, jornal oficial romeno, estampou quando o meu antigo chefe, Nicolae Ceausescu, começou a transformar a Romênia em um monumento a si mesmo. Dois anos após alcançar o poder, a nomenklatura do Partido Democrata americano produziu os mesmos resultados da nomenklatura socialista romena – em escala americana. Mais de quatorze milhões de americanos perderam o emprego e 41,8 milhões de pessoas entraram nos programas de vale-alimentação do governo. O Produto Interno Bruto caiu vertiginosamente de 3,4% para 1,6%. A dívida pública aumentou para 13 trilhões de dólares, número sem precedentes, e o valor projetado para 2019 é de 18 trilhões de dólares.

O Scînteia foi à falência e a Newsweek foi vendida por um dólar. Mas um membro da nomenklatura Democrata, representante do economicamente arruinado estado da Califórnia no Congresso americano – que, por acaso, é admirador e hóspede da Cuba de Fidel Castro – está discursando que o futuro da indústria de petróleo dos EUA “tem tudo a ver com socializar”, tudo a ver com “o governo tomando e gerindo todas as nossas petrolíferas”.

Em 1948, quando a nomenklatura romena nacionalizou a indústria petrolífera, o país era o segundo maior exportador de petróleo da Europa. Trinta anos depois, quando rompi com o marxismo, a Romênia era um grande importador de petróleo, a gasolina era racionada, os locais públicos não podiam ser aquecidos acima de 17°C e todo o comércio era obrigado a fechar antes das 17h30 para economizar energia.

Já usei estes exemplos antes, mas, penso, eles devem ser usados mais e mais – e cada vez mais –, pois são o resumo do nosso drama atual. O Sequestration imposto aos EUA dias atrás mostra que a atitude socialista do Partido Democrata em relação ao dinheiro e a sua compulsão à ilusória receita socialista do “para cada qual conforme a sua necessidade” pode gerar uma devastação na economia, mesmo na economia de um país tão rico como os EUA.

O fato da nomenklatura do Partido Democrata pensar que pode resolver as nossas dificuldades econômicas aumentando, mais uma vez, os tributos, me faz lembrar dos meus velhos tempos na Romênia comunista. Eu repetidamente avisava Ceausescu de que a Romênia não ia aguentar continuar perdendo um dólar por milhar de ovos exportados para o Ocidente. Meu antigo chefe garantia: “Vamos maquiar isto vendendo bastante.”

O ensaísta americano George Santayana, imigrante como eu, dizia: quem não consegue se lembrar do passado está condenado a repetí-lo.

[i] Stéphane Courtois, Le Livre Noir du communisme: Crimes, terreur, répression (Ėdition Robert Laffont, Paris, 1997), pp. 258-264.

[ii] Doug Mainwaring, “We are all Tea Partiers now,” The Washington Times, September 30, 2010, p.1.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: