Sete Alegrias

"Alegra-Te, Cheia de Graça…"

Arquivos da Categoria: Dia a Dia

Fim de linha

Caras leitoras, caros leitores,

Este é o último post deste blog, que chegou ao fim por absoluta falta de recursos financeiros.

Agradeço a vocês pelo carinho e pela atenção que dispensaram às minhas pobres palavras.

Muito obrigado, de coração.

*

“Fazei tudo o que Ele vos disser”

* * * * * * *

Inteligência e Esperteza

Segundo Olavo de Carvalho, a inteligência é a capacidade de apreender a verdade. Por outro lado, a esperteza pode ser definida como a capacidade de deixar os outros para trás, passar-lhes a perna.

A inteligência é dom divino. Busca a Verdade e o Bem Supremo. Busca também o bem dos outros, na esteira do mandamento divino “Amar a Deus acima de todas as coisas, e ao próximo como a si mesmo”. É a regra de ouro, conhecida por todos os povos. O inteligente está disposto até mesmo a se deixar prejudicar em nome do bem comum. Os antigos já diziam: melhor ser vítima de uma injustiça do que cometê-la. A inteligência busca a graça de Deus.

O incapaz, querendo virar inteligente na marra, recorre à esperteza, simulacro maligno da inteligência. Vale tudo para passar na frente dos outros. Rasteiras, fofocas, difamação, facada nas costas, intrigas, boatos. O demônio, mentiroso e homicida, é o pai da esperteza. Vendo a presença do mal no mundo, o esperto pensa: se todos agem mal, por que eu também não posso agir? Por que não posso enganar quem me engana? Se todos estão roubando, porque eu não posso roubar? Ladrão que rouba ladrão não tem mil anos de perdão?

Não! Ladrão que rouba ladrão não tem perdão pois afasta o objeto roubado ainda mais do seu legítimo dono. Dizer que o comportamento alheio justifica um comportamento ilícito é dizer que a virtude é relativa – uma contradição em termos. Em outras palavras, é criticar o sacrifício de Cristo, o Justo sem pecado que perseguiu a virtude até o limite. Cada ato de esperteza é um insulto, um escárnio, um tapa na Divina Face. Se você for esperar o ambiente ideal para exercer a virtude, pode esperar sentado.

A esperteza nacional é o ar que respiramos. E, assim, a mentalidade mesquinha do brasileiro vai conduzindo o país ladeira abaixo. Juros, carga tributária, mortes no trânsito, assassinatos, fracasso escolar – o Brasil é sempre destaque nestas barbaridades. No Maranhão, exemplo emblemático da situação nacional, a esperteza se traduz em decapitações, incêndios e população desesperada. As cenas de bárbarie exibidas pelos meios de comunicação são o símbolo máximo da nossa cultura da esperteza.

Por isso, você, brasileiro esperto, é o verdadeiro assassino da menina Ana Clara, queimada viva aos seis anos de idade.

***

Comentário sobre a legítima defesa dos PMs na rua Sabará

“Um estilete, uma faca, uma arma branca, de perto, a curta distância, no corpo a corpo, é muito pior do que um revólver. Porque o revólver, pegando no tembor, ele não dispara; a faca você não pode pegar nela, ela corta.”

José Alberto de Siqueira Campos, sensei Corisco, professor de karatê

Trégua de Pantera

A Coréia do Norte divulgou uma carta aberta à sua vizinha do sul propondo negociações de paz.

“Fie-se, porém, quem, em tais tréguas de pantera?”

– Guimarães Rosa

***

Frases da semana

“Nossa! Foi tiro para tudo quanto é lado”

Frase de um bandido, preso em flagrante, que participara de tentiva de assalto a um policial

*

“Mas a mão de Deus me protegeu”

Idem

*

“Hahaha”

O mesmo bandido, em resposta a uma pergunta do repórter, enquanto assinava o flagrante

***

Identidade Bourne, Identidade Brasileira

Jason Bourne é um agente secreto com amnésia. Acorda no meio do oceano, num barco de pesca. A sua única pista: o número de um cofre particular em um banco suíço. Lá, encontra dinheiro, uma arma e diversos passaportes falsos. O primeiro deles é o da República Federativa do Brasil. Gilberto del Piento. Osasco.

O passaporte brasileiro é o mais caro no mercado negro porque qualquer rosto cabe nele. Preto ou branco, alto ou baixo, redondo ou quadrado, japonês ou baiano, ninguém estranha. Esta é a melhor característica da identidade brasileira, a mestiçagem, a aceitação, a caridade cristã. Nós somos quem melhor compreendeu a frase evangélica “tendes um só Preceptor, e todos vós sois irmãos”.

Sabedor disto, o demônio e seus asceclas – os comunistas, os socialistas e os vigaristas – lutam para destruir a identidade nacional. A técnica usada é simples: dividir para reinar. Criar antagonismos. A luta de classes. As minorias. Pobre contra rico, mulher contra homem, filho contra pai, ciclista contra motorista, índio contra fazendeiro, preto contra branco (essa é a maior! Num país cuja padroeira é preta e o maior ídolo de futebol é preto) – todos contra Deus. “Você é um oprimido, você tem o direito de se libertar, você merece ser feliz – sereis como deuses.” A letra fria da lei em vez do calor da graça. O Estado em vez de Deus. Ódio e indiferença em vez do Amor.

Neste embate, o demônio tem tido sucesso, temos que reconhecer. O brasileiro deixou de lado a caridade e vive atrás do dinheiro. Mas ninguém pode servir a dois senhores. O gênio de Francis Ford Coppola, em recente passagem pelo Brasil, captou isto: “A alegria costumava ser a coisa mais importante no Brasil. Agora, a coisa mais importante é o dinheiro.” Precisou vir um gringo dizer isto na nossa cara!?

Assim, o brasileiro vai aos poucos perdendo a identidade. Bem ao contrário de Bourne que, ao longo do filme, vai encontrando pistas de quem é. O herói, em meio a mil peripécias, ainda encontra tempo para namorar. Marie acompanha Bourne durante boa parte do thriller, mas é forçada a sair de vista porque o perigoso namorado oferece risco à sua vida.

No finalzinho, após resolver as pendengas, Bourne parte em busca de Marie. Depois de muito procurar, vai reencontrá-la à beira-mar, tocando uma loja de aluguel de scooters.

– Posso alugar uma scooter? pergunta, jocoso.

– Você tem identidade? devolve Marie, num trocadilho.

E nós, brasileiros, ainda temos identidade?

A data de hoje, aniversário da cidade de São Paulo – a mais importante do Brasil, uma das mais importantes do mundo, que a todos aceita por ser herdeira de um dos maiores propagadores da fé cristã -, é o momento de refletirmos: ainda temos a identidade brasileira da mestiçagem nascida do amor de Cristo?

***

O mundo digital

“O mundo digital pode ser um ambiente rico em humanidade; uma rede, não de fios, mas de pessoas.”

Papa Francisco

***

Nosso Senhor Jesus Cristo e a cervejaria Itaipava

A cervejaria Itaipava está patrocinando um grupo humorístico que faz ataques ao cristianismo.

Não vou entrar em polêmicas porque, para mim, é tudo muito simples: uma empresa que patrocina ataques aos valores civilizacionais básicos não vai ver o meu dinheiro.

***

Arminha de brinquedo

O governo do estado de São Paulo proibiu a fabricação e o comércio de armas de brinquedo. Que maravilha! Descobriram o responsável pelas dezenas de milhares de homicídios: o brinquedo do seu filhinho que dispara bolhas de sabão. Esta insanidade lembra a piada do marido traído que flagrou a esposa em pleno intercurso sexual com o vizinho no sofá da sala e não teve dúvidas: vendeu o sofá!

Agora falando sério: os nossos legisladores criam todo tipo de empecilho para a pessoa de bem se proteger enquanto criam leis que atam as mãos da Polícia e obrigam o Judiciário a soltar bandido. Vamos analisar os objetivos ocultos.

O que uma arminha de brinquedo tem a ver com a violência? Dizem os políticos que a arma de brinquedo é usada em assaltos; segundo esta lógica, logo logo as pessoas serão proibidas de usar roupas porque tem bandido que finge estar armado escondendo a mão sob a blusa.

Dizem também que incita a violência nas crianças. Para os defensores desta idéia, o comportamento agressivo é, em si, uma coisa má – nada de brusquidão, nada de arrancos violentos, nada de enfrentar as adversidades, a testosterona é muito ruim, precisa ser diminuída, a melhor cultura é a do bom-mocismo, do diálogo com bandido, vamos negociar como vai ser o estupro. Por isso, tentam, por meio de leis, criar uma sociedade pura, cor-de-rosa, sem armas, sem facas, sem jogos violentos, sem artes marciais, sem esportes de contato, como o futebol. Em outras palavras, a tentativa de manipular a opinião pública para impor esta ideologia pacifista e criar um novo homem “bonzinho” é um totalitarismo. Ela sim é uma violência, a maior das violências contra a natureza humana.

O objetivo do desarmamentismo é triplo: abandonar o cidadão comum à mercê dos bandidos armados, desvirilizar a população masculina (com o consequente emburrecimento, segundo Olavo de Carvalho) e, por meio de argumentos absurdos, deixar o povo apatetado para poder manipulá-lo à vontade.

Não se deixe enganar, lembre-se da frase de Groucho Marx:

– Afinal de contas, você vai acreditar em mim ou nos seus próprios olhos?

***

Frases da semana

“Barbosa vai ter que explicar por que não assinou meu mandado de prisão”

João Paulo Cunha

*

“O marxismo é uma mentira, e a mentira é o primeiro passo na direção do roubo e do assassinato”

Ion Mihai Pacepa

*

“causa horror apenas pensar nas crianças que nunca poderão ver a luz, vítimas do aborto”

Papa Francisco

***

%d blogueiros gostam disto: