Sete Alegrias

"Alegra-Te, Cheia de Graça…"

Arquivos de tags: Ives Gandra

Doações

Foi só eu colocar no meu blog uma aba para doações e surgiram pessoas criticando.

São as mesmas pessoas que acham normal dar ao governo mais de 60% dos seus rendimentos (segundo cálculos do tributarista Ives Gandra da Silva), talvez porque estejam agarrados às tetas do Estado. Parecem aquele espertinho da piada que, ao receber a notícia do aumento da gasolina, respondeu: “Para mim não tem importância, eu sempre coloco dez reais.”

São os mesmos que se deslumbram ao viajar para os EUA e não sabem que o hábito de fazer doações é um dos pilares daquela grande nação. E voltam tecendo loas aos americanos e desprezando os brasileiros, sem perceber que o seu próprio comportamento mesquinho é uma das causas do nosso atraso.

Como diz Olavo de Carvalho, estas pessoas não querem doar a quem está lutando pelo bem comum; preferem que o governo venha e pegue o dinheiro delas.

O meu blog veio para lutar a guerra cultural e trata de realidades e de valores civilizacionais. Aqui não tem lenga-lenga. Veio para combater o socialismo (a ante-sala do comunismo), já implantado em nosso país. Talvez você não saiba, mas o Papa Pio XI, na Carta Encíclica Divinis Redemptoris escreveu “O comunismo é intrinsecamente perverso e não se pode admitir em campo nenhum a colaboração com ele, da parte de quem quer que deseje salvar a civilização cristã.”

Você, que me critica, não sabe de nada disso? Por que não lê o meu blog com mais atenção?

Você, que me critica, o que está fazendo pela nossa sociedade? O que está fazendo por Cristo? E pelo futuro da sua família?

 

Sábado, dia de Maria

Hoje é sábado, dia de Maria. É o dia da inauguração deste blog, a ela dedicado, a Nossa Senhora das Sete Alegrias. Ele veio lutar a guerra cultural, como Nossa Mãe, em Guararapes, veio combater pela Igreja e pelo Brasil.

Nossa Senhora das Sete Alegrias é uma devoção portuguesa surgida no século XVI. As Sete Alegrias, enunciadas por um franciscano, são: a Anunciação, a Saudação de Isabel, o Nascimento de Jesus, a Visita dos Reis Magos, o Reencontro com o Menino Perdido no Templo, a Primeira Aparição do Cristo Ressuscitado e a Coroação da Virgem no Céu.

Na primeira batalha de Guararapes, a Mãe de Deus lutou ao nosso lado para expulsar os holandeses. Ali surgiu a nação brasileira: índios, portugueses e negros unidos contra o invasor. Das alegrias da Virgem Santíssima nasceu o Brasil.

Hoje, como ontem, o nosso país está sob ataque – não só ele, mas todo o ocidente. De acordo com o filósofo Olavo de Carvalho, são três os poderes internacionais interessados na implantação de uma ditadura global: o bloco comunista russo-chinês (Maria avisou em Fátima: cuidado com a Rússia!), a Nova Ordem Mundial (ou Clube Bilderberg) e o islamisno radical. Têm, como objetivo, a destruição das soberanias nacionais e do cristianismo – mais precisamente, da Igreja Católica. (Não deixe de ler o artigo O Crescimento da Cristofobia de Ives Gandra da Silva Martins.)

Neste processo, uma das principais armas usadas é o marxismo cultural, ou seja, a implantação de uma ideologia de revolta – o ódio como motor da história: a luta de classes, o feminismo, o aborto, o divórcio, a eutanásia, a revolução levada a cabo pelos marginalizados, o sex lib, o enfraquecimento das nações por meio das drogas, a destruição da identidade nacional. Os meios de comunicação de massa, o sistema educacional e o show bizz estão impregnados desta mentalidade – há exceções, gente de bem se esforçando, e nós temos que ajudá-los.

A nossa primeira tarefa é estudar para saber o que está acontecendo. A realidade das coisas é muito difícil de apreender e, se não tivermos um bom conhecimento dela, vamos acabar trabalhando para o inimigo e seremos mais um “inocente útil”, de quem Lênin riria.

A missão deste blog é contribuir na compreensão do mundo que nos cerca. Só bem informados poderemos agir com consciência na luta pelos nossos ideiais. Peço, cara leitora, caro leitor, que me envie as suas sugestões, as suas dúvidas e, acima de tudo, reze pelo sucesso deste empreendimento. A batalha é dura, mas não desanime. Maria, mais uma vez, está ao nosso lado, como, outrora, nos montes Guararapes, lutando com vigor pela Igreja e pela nação brasileira.

“(…) por ter a gente ela própria já biologicamente tríbia do nordeste branca, ameríndia, negra demonstrado ser gente, além de vigorosa, consciente de sua pré-brasileiridade, pela maneira com que repeliu franceses e holandeses. Pelo modo por que escreveu a sangue, nas batalhas dos montes Guararapes, o endereço certo do Brasil: uma nação só e não duas ou três.” – Gilberto Freyre

%d blogueiros gostam disto: