Sete Alegrias

"Alegra-Te, Cheia de Graça…"

Arquivos de tags: Padre Lódi

Uma Vida a Cada Dez Minutos

O Fórum Brasileiro de Segurança Pública divulgou que no ano passado houve 50.108 assassinatos no Brasil, ou seja, um assassinato a cada 10 minutos e meio – sem contar as vítimas dos crimes sem solução, que não são considerados homicídios (?!).

Vou repetir: a cada 10 minutos e meio um brasileiro é assassinado!

Como é que chegamos a este ponto?

É muito fácil: vire as costas para Deus, prefira o vício à virtude, dê ouvidos ao canto de ódio da sereia comunista, admire a “Constituição-Cidadã” do Estado-Papai-Noel (que dá tudo a todos, com o nosso dinheiro), o Estado-Pai-dos-Pobres (e Mãe dos Ricos), dê o seu voto a abortista, se intoxique com bastante novela, valorize o título universitário no lugar do verdadeiro conhecimento, isso  mesmo, viva no mundo das aparências, erga bem alto o muro do seu condomínio, coloque vidro escuro no carro (blindagem de pobre), vá se afastando das pessoas, use a técnica do avestruz, enterre a cabeça na areia, faça de conta que não está vendo, fique no seu mundinho cor-de-rosa, cada um pra si e Deus pra todos, o importante é ganhar dinheiro, ah! as boas amizades…

E assim, graças ao ódio do brasileiro ao conhecimento e à sua esperteza de matuto – a esperteza demoníaca, simulacro da verdadeira inteligência, dom de Deus – o Brasil vai aderindo à agenda esquerdista, engolindo o que a mídia de massa, o sistema educacional e a indústria cultural vai enfiando na nossa garganta: divórcio, feminismo, aborto, sex lib, drogas, estatismo, ateísmo e tudo o que não presta.

(Sociedade atéia não existe. Aristóteles ensinou: todos os povos têm religião. Logo, o ser humano é um ser religioso. Olavo de Carvalho completa: uma ideologia que tente implantar o ateísmo só consegue criar um vácuo que logo será ocupado por outra religião – no nosso caso, o Islã vem aí.)

A cada 10 minutos e meio um brasileiro é assassinado… na verdade, o número é bem maior, porque o que não falta é crime sem solução. Aliás, como é que a polícia vai investigar um assassinato a cada 10 minutos? A segurança pública não é mais problema de polícia, você não percebeu ainda? É problema seu, é problema meu, é problema das pessoas de bem, está na hora de nós dois fazermos alguma coisa, o governo não vai fazer nada, porque o nosso governo é socialista, ante-câmara do comunismo, do comunismo que tem ódio a Deus; o governo faz parte do problema, não da solução. Precisamos de menos governo, não mais. Toda esta bagunça foi longamente planejada e ardentemente desejada por comunistas e socialistas, por Marx e Engels, e por Marcuse e Gramsci – que belo quarteto!

Este blog já cansou de dar a solução: você precisa estudar, precisa se informar para poder agir, leia Olavo de Carvalho, ouça o Padre Paulo Ricardo, ouça o Padre Lódi, estude o milagre de Fátima (“A Rússia vai espalhar os seus erros pelo mundo”) e, o mais importante, volte à vida de virtude – Vada a Bordo!

Mas não, o brasileiro prefere ser o avestruz, prefere não ver a realidade das coisas porque é dura demais, prefere não saber o que é o Foro de São Paulo, muito menos o que é a Sociedade Fabiana, prefere não ver a ação demoníaca no mundo, prefere fletar com a teologia da libertação (são bem criativos estes cínicos comunistas), prefere o bom-mocismo da amizade com os poderosos, prefere andar abraçado com o capeta, prefere cuidar das suas coisinhas, prefere o seu quente cantinho, prefere o seu condomíno cor-de-rosa…

… até que um traficante, um estuprador ou um assassino vem trazê-lo de volta à dura realidade da vida…

***

Maria Aparecida

Hoje é dia de Nossa Senhora Aparecida. É dia de agradecer. Gratia plena.

Agradecer pela terra que ela nos deu, por suas belezas naturais – as “belezas sem dono” de Riobaldo – e pela abundância de recursos.

Agradecer pelo povo que deu Villa-Lobos, Gilberto Freyre, Guimarães Rosa e o maior dos poetas – “Só pelo fato de poder ler Manuel Bandeira no original já vale a pena ter nascido brasileiro” (Bruno Tolentino).

Agradecer pelos combativos Olavo de Carvalho, Padre Paulo Ricardo e Padre Lódi. Eu, particularmente, agradeço por Luiz Gonzaga Bergonzini, de quem tive o privilégio de ter sido amigo.

Agradecer pelos incontáveis desconhecidos que ainda lutam pela decência e que ainda conhecem o significado da palavra “Pátria” num país transformado em hospício onde o crime virou norma.

Vamos agradecer enquanto lutamos. Oxalá não ouçamos a frase de Cristo:

– Ué?! Não foram dez os leprosos curados? Só um voltou para agradecer?

* * *

Brígida – esposa e mãe

Hoje é dia de Santa Brígida, padroeira da Suécia, copadroeira da Europa, mãe de 4 meninos e 4 meninas – uma delas santa – escritora, teóloga, fundadora de monastério e mística – ufa! Nasceu em 1303 e morreu em 23 de julho de 1373, em Roma. Ficou conhecida por sua atuação política, na qual era orientada diretamente por Deus, por meio de visões e sonhos.

A política, entendida como a interação entre as pessoas visando o bem comum, é uma obrigação inescapável não apenas para os santos, mas para todos nós. Mesmo os ostras, pessoas fechadas em si mesmas e refratárias a quaisquer preocupações sociais, têm uma atitude política – no caso, a indiferença, a pior de todas as posturas políticas. Temas de debate público, como o aborto, não lhe interessam. Mas quando o governo mete a mão no seu dinheiro… epa! Aqui não! – aí ele fica uma fera. Lênin pregava o domínio sobre as populações por meio do imposto de renda progressivo. Vai reclamar do que se não quer lutar?

Brígida tinha Deus orientando-a diretamente. E a nós, simples criaturas normais, quem vai nos orientar, esclarecer e ensinar? João Bosco fez esta mesma pergunta em uma visão que teve quando ainda era criança e estava preocupado com os seus amiguinhos de rua, desamparados e órfãos, candidatos certos à vida de crime. A aparição disse ao menino para educar aquelas crianças. João Bosco perguntou “Mas quem vai me ensinar, se eu mesmo não sei?” Vou lhe dar uma Mestra, e só então João Bosco percebeu, ao lado dele, uma Senhora de indescritível beleza.

Maria deve ser a nossa primeira orientadora. É a ela a quem devemos dar ouvidos, estudando as suas aparições, rezando o terço e pedindo ajuda. Mãe da Igreja, ela nos deu o Catecismo, doutrina segura para nos orientar em caso de dúvida. Quando, por exemplo, um vigarista disfarçado de padre da auto-proclamada teologia da libertação – que não é teologia, muito menos de libertação, bem ao contrário, da escravidão porque marxista – diz alguma besteira, o Catecismo está aí para ser consultado e nos ajudar.

Em segundo lugar, alguns nomes se destacam no Brasil. Nas ciências políticas, o filósofo Olavo de Carvalho; no jornalismo, o site Mídia Sem Máscara e Reinaldo Azevedo; na atuação pública, os combativos Padre Lódi da Cruz e o Padre Paulo Ricardo. Não estou dizendo que estes homens são infalíveis, nem santos, nem têm a autoridade da doutrina da Igreja em todos os seus atos. Estou citando-os como fontes a serem estudadas. Aliás, eles próprios são os primeiros a reconhecer isto.

E, evidentemente, os ensinamentos do Papa devem sempre ser ouvidos e estudados. Rezemos a Santa Brígida, especial devota de Maria – qual santo não o é? –  copadroeira da Europa com Santa Catarina de Sena e Edith Stein, para guiar as palavras do Santo Padre em sua visita ao nosso país.

%d blogueiros gostam disto: